sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

hoje: sexta

Sair com os amigos. Barzinhos. Alcoólicos. Cigarros. Conversas que duram horas. Piadas sem graça. Imitações. Coloca gasolina, escuta algumas músicas no carro. Pára no encostamento, precisamente na ponte. Passa os olhos pelo lugar, bela paisagem quando se anoitece. Então é isso, sexta. O que vai ter? O As deve sair com o namorado. A Ally deve permanecer com os livros enfiados na cara ou vice-versa. Ela quer ser juíza, te contei?
Eu quero saber de você, o que você vai fazer hoje? Então, reservei mesa para um naquele restaurante famoso do centro. Eu sei, eu sei, o lugar não é um dos melhores, mas eu gosto daquela música calma que os cantores apresentam. Aquela que me deixa menos ridículo por ser o único a sentar numa mesa para quatro, ocupando apenas uma cadeira. Se você quiser eu... Não, você tem seus programas, seus amigos, e a gente nem se conhece direito. O meu celular quebrou, eu joguei fora, se não te daria meu número. Por que fez isso?
Não sei, cansei de tecnologia. Se meu celular servia apenas de despertador, melhor eu comprar um despertador. Aposto que devem ter ligações perdidas. Se eu fosse você apostava em permanecer com esse corte de cabelo, te deixa mais bonito. É sério. E outra, nem me procura nas redes sociais, deletei todas as minhas contas. Só existo como antigamente, se quiser me mandar uma carta eu te passo meu endereço.

Um comentário:

Leonardo Quirino disse...

Nossa juventude envelhece quando sente que as nossas sextas tornaram-se apenas um dia que vamos riscar do calendário como menos um.

O importante é crer que todos os próximos dias podem simplesmente valer por todos os outros vividos por... viver.

Hoje eu vou almoçar sozinho naquele restaurante que só vai os solitários e vou ao cinema com meu 'balde' de pipoca e Kuat 700ml! Deus abençoe meu estômago e conforte o infeliz do meu coração.
-Porra! Agora sim eu vou me sentir pior por ter me exposto dessa forma. =/